HOME  |  ARTIGOS  |  CASOS  |  QUEM SOMOS  |  OPUS COMENTA  |  DICIONÁRIO  |  PARECE OVNI  |  LINKS  |  CONTATO

 


Caso São José I


1. Introdução

O caso a seguir foi relatado à OPUs pela mesma testemunha dos casos São José 2 e 3, que identificaremos por Sr. LF, residente no bairro São José, na cidade de Araraquara.


2. Relato


Em uma noite de céu limpo e claro, por volta de 21h30min, o Sr. LF estava dentro de sua casa quando resolveu ir até a varanda para fumar um cigarro. A testemunha tem o hábito de sempre olhar para o céu. Desta forma, quando olhou para o lado sul, avistou uma luz laranja, com luminosidade opaca, classificada
- pela própria testemunha - como estranha.

A luz, de tamanho comparável ao tamanho da lua cheia, estava parada no céu e repentinamente começou a aumentar seu tamanho de modo rápido. Em menos de dez segundos, após crescer, a luz sumiu.

Do ponto de vista do observador, a luz não se movimentou, mas o Sr. LF disse que o desaparecimento sugeriu movimento no sentido oposto ao de sua observação: “não foi uma luz que apagou. Foi uma luz que se distanciou”.


3. Análise


No artigo Questão UFO 15, a OPUs explica que pontos luminosos no céu, avistados aproximadamente até 20h00min no horário normal e até 21h00min no horário de verão, podem ser satélites, ônibus espacial ou a estação espacial ISS.

Considerando a hora (21h30min) e também o fato de que o horário de verão, naquele ano, começou em 8 de outubro, portanto cerca de um mês depois do avistamento, pode-se descartar o avistamento incomum da luz de um artefato humano em órbita.

Não conhecemos relatos astronômicos de um corpo celeste que fosse avistado tão rapidamente aqui na Terra e tivesse o tamanho comparável ao de uma lua cheia.

Uma outra possibilidade de brilho incomum no céu noturno é o surgimento de estrelas supenovas. Mas este brilho geralmente não surge e desaparece tão rapidamente. Dura semanas ou meses.


4. Conclusão


Considerando a hipótese de que a testemunha não fez relatos fantasiosos ou teve um episódio de falsa memória, este caso permanece, até o momento sem explicação.